sábado, 16 de agosto de 2008


Uma das obras mais aplaudidas na off-Broadway Nova-iorquina no ano de 2003 e que desde então, tem feito sucesso em todos os países por onde passa, tais como, Argentina, Chile, Brasil, Venezuela e Espanha, encontra agora a sua adaptação para Portugal.

O texto não é uma apologia ao consumo de marijuana e muito menos de outras drogas, mas sim, uma obra onde as três personagens reflectem, de uma forma irónica e com muito humor, sobre o “universo” que rodeia a controversa marijuana.

Os prós, os contras, as contradições, as crenças, as ilusões, os mitos e mistérios, os ritos e rituais, enfim, o raciocínio da sociedade moderna em relação a este “fruto proibido”, é neste espectáculo enaltecido e posto em causa.

Em aproximadamente sessenta minutos, poderá assistir-se a uma montagem mordaz e muito actual, discutindo com muito humor, sem qualquer pretensão activista nem pró-drogas, este fenómeno social em ascensão.

Qualquer pessoa, quer apoie o consumo e legalização da mesma ou não, será incapaz de resistir a esta divertida peça…
Quem fuma ri, quem não fuma ri ainda mais!

2 comentários:

Adérito Lopes disse...

Força aí!
MUITA MERDA IRMÃS!!!

abraço

adérito lopes

Anónimo disse...

Isto promete...
Para quem não era propriamente fã de teatro, estou em pulgas para ver a peça.
Boa sorte aos três!

"Dearly beloved
We are gathered here today
To get through this thing called LIFE.

It means forever and that's a mighty long time
But I'm here to tell you, there's something else
The afterworld.

A world of never-ending happiness
You can always see the sun, day or night.

So when you call up that shrink in Beverly Hills
You know the one, Dr. Everything'll-Be-Alright

Instead of asking him how much of your time is left
Ask him how much of your mind, baby

'Cause in this life
Things are much harder than in the afterworld
In this life, you're on your own
And if de-elevator tries to bring you down

Go crazy, punch a higher floor"


Sónia André